Blog

Cleptomania

Cleptomania e a incapacidade de conter os impulsos de furto

O que é

A cleptomania é classificado pelo DSM-IV como um Transtorno de Controle Impulsivo cujo o paciente encontra dificuldades em conter a vontade em furtar objetos, sendo de valor ou não. Esses furtos são realizados por impulso e não por necessidade.

Geralmente os objetos que um cleptomaníaco furta são guardados, descartados ou dados de presente a alguém, mas dificilmente usados por eles mesmos. 

A cleptomania muitas vezes está ligada a outros transtornos com a ansiedade, distúrbios alimentares (em especial a bulimia) e abuso de substâncias. Além disso a cleptomania pode ser vista como parte do Transtorno Obsessivo-Compulsivo, já estudos mostram a co-ocorrência de ambos transtornos em 45% a 60% dos pacientes.

Sintomas

Segundo o DSM-5 a cleptomania se manifesta em qualquer idade e em qualquer gênero. Os principais sintomas são:

  • Sensação de prazer ou gratificação depois ou na hora do roubo.
  • Incapacidade de resistir aos impulsos de furtar.
  • Impulsos recorrentes para roubar coisas desnecessárias.
  • Sensação de aumento da tensão antes do roubo.
  • Realização dos furtos não são uma resposta a ilusões ou alucinações, ou como o objetivo de vingança ou raiva.

Fora esses sintomas, não existe nenhuma anomalia comportamental* que possa identificar um cleptomaníaco. Além disso, o diagnóstico se torna mais difícil porque as  com cleptomania percebem que o que elas fazem é errado. 

Níveis de Cleptomania

Esses níveis da cleptomania estão relacionados ao modo que o cleptomaníaco age. Esses modos são:

  • Esporádica: breves episódios de furto e longos períodos de remissão.
  • Episódica: longos períodos de furto e pequenos períodos de remissão.
  • Crônica: furtos constantes seguidos de culpa ou remissão de curtíssima duração.

Causas da Cleptomania

Como já foi dito, muitas vezes a pessoa com cleptomania tem outros transtornos psicológicos. Alguns deles são:

Ademais, alguns psicólogos e psiquiatras veem a cleptomania como uma parte espectro  obsessivo-compulsivo de transtornos. Por fim, há indícios que esse transtorno esteja relacionada com os transtornos de humor, como a depressão.

Tratamento

A cleptomania não tem cura, mas existe tratamento. A principal dificuldade do tratamento é o fato do cleptomaníaco não procurar ajuda. No entanto, quando procurada a ajuda, o tratamento pode ser uma combinação de psicoterapia e uso de psicofármacos. 

A psicoterapia vai ser essencial para o entendimento do transtorno por parte do paciente. Além disso, a psicoterapia vai ajudar o paciente a lidar com os problemas psicológicos ocultos. 

Por fim, o uso de Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina (ISRS), que possuem como objetivo aumentar a serotonina no cérebro, podem ser usados no tratamento da cleptomania.

Inpa – Instituto de Psicologia Aplicada, Asa Sul, Brasília – DF, Brasil

Você deve estar logado para postar um comentário.

×